top of page

The 21st century slavery / A escravatura do séc. XXI

Updated: Aug 3, 2022

https://www.youtube.com/watch?v=d2FSPdgEguk



It is estimated that currently, around 30 million people in the world still work in

conditions of slavery or similar, they are exploited. Degrading working conditions, forced labor, child labor, extremely exhausting hours and debt bondage. This happens both in the rural and urban world.

There are countries like Brazil where around 95% of this slave population are male, but this is not always the case.

The most accentuated sectors are agriculture and in the mining industry.

The countries with the most slavery in the textile and construction industry are China, India, Bangladesh and Thailand.

Most of this population does not have a complete basic education and in some countries they have not even been educated, being totally illiterate.

In Brazil, around 50,000 workers were released from these conditions between 1995 and 2000.

There is strong evidence that some local police forces in some of these countries are part of this slavery network, helping those in charge of this business to control slaves.

This should be investigated.


However, there are studies that prove that most of this fragile and destabilized population, reoccur in the same world of slavery, after being rescued.


Human trafficking and slave labor are a worldwide and very lucrative cancer, unfortunately. This is further accentuated by the problem of wars and mass emigration.


What justifies all this? What are the weaknesses of these people


The main reasons pointed out by the victims for this sad reality, which makes people subject themselves to these conditions or without wanting to find themselves in this situation, are:


. socio-economic vulnerability

. misery

. search for better living conditions and / or safety

. enticement, delusion and false and misleading job promises

. migration

. Escape, overcoats of war or famine scenarios

. phenomenon of the culture of slavery and the human market still rooted in the minds of people for generations, especially in the female world in some societies, where gender equality and opportunities are still a mirage

. among others



Solutions and alternatives to avoid this type of situation and reduce slave labor?


Changing this frightening and criminal reality that accentuates inequalities and does not contribute to world well-being, depends on the State and Society in general, at the bottom of all of us. We all have to do our part.


. encourage family farming as an alternative to slave labor in agriculture

. access to portions of land to cultivate and produce

. Worker's financial compensation

. Continue to support NGOs and public bodies working to eradicate slave labor

. Reporting situations known to the country's government authorities, trusted, bodies declared for this purpose

. strong and legal punishment (without forgiveness) of those responsible, offenders, criminals and slave traders and human trafficking, making the end of the violation of Human Rights prevail

. mapping and monitoring these hot spots and constant surveillance

. training and qualification of young people and adults to change mentalities, education

. incentives for associations, cooperatives in neuralgic areas and even use the best partners for micro-credit

. rescue serious cases but with follow-up to avoid recurrence

. assistance to victims

. local prevention actions

. Solidarity and compassion, because we are all human, made of the same mass and blood



For the Good and Future of humanity!



A escravatura do século XXI


Estima-se que actualmente, cerca de 30 milhões de pessoas no mundo ainda trabalham em condições de escravatura ou similares, são explorados. Condições de trabalho degradantes, trabalhos forçados, trabalho infantil, jornadas extremamente exaustivas e servidão por dívida. Isto acontece tanto no mundo rural como no mundo urbano.

Há países como o Brasil em que cerca de 95% dessa população escrava são do género masculino, mas nem sempre é assim..

Os sectores mais acentuados são a agropecuária e na indústria de extracção de minérios.

Os países onde se verificam mais situações de escravatura na indústria têxtil e construção civil são a China, Índia, Bangladesh e Tailândia.

A maior parte desta população não tem escolaridade de base completa e em alguns países nem sequer foram escolarizados, sendo totalmente analfabetos.

No Brasil, foram libertados destas condições cerca de 50 000 trabalhadores entre 1995 e 2000.

Há fortes indícios que algumas forças policiais locais desses países fazem parte desta rede de escravatura, ajudando os responsáveis deste negócio a controlar os escravos.

Isto devia ser investigado.


Porém, há estudos que provam que a maior parte desta população fragilizada e desestabilizada, volta a reincidir no mesmo mundo da escravidão, após terem sido resgatados.


O tráfico de Seres Humanos e o trabalho escravo são um cancro mundial e muito lucrativo, infelizmente. E isto acentua-se ainda mais com o problema das guerras e emigração em massa.


O que justifica tudo isto? Quais são as fragilidades destas pessoas


As razões principais apontadas pelas vítimas para esta triste realidade, o que leva as pessoas a se sujeitarem a estas condições ou sem querer se verem nesta situação, são:


. vulnerabilidade sócio-económica

. miséria

. busca de melhores condições de vida e/ou segurança

. aliciamento, ilusão e promessas de trabalho falsas e enganadoras

. migração

. Fuga, sobretudos de cenários de guerra ou fome

. fenómeno da cultura da escravatura e do mercado humano ainda enraizada nas mentes das pessoas ao longo de gerações, principalmente no mundo feminino em algumas sociedades, onde ainda a igualdade de género e de oportunidades é uma miragem

. entre outras



Soluções e alternativas para evitar este tipo de situações e diminuir o trabalho escravo?


Mudar esta realidade assustadora e criminosa que acentua desigualdades e não contribui para o bem-estar mundial, depende do Estado e da Sociedade em geral, no fundo de todos nós. Todos temos de fazer a nossa parte.


. incentivar a agricultura familiar como alternativa ao trabalho escravo na agropecuária

. acesso a porções de terreno para cultivar e produzir

. Compensação financeira do trabalhador

. Continuar a apoiar as ONGs e órgãos públicos que trabalham para a erradicação do trabalho escravo

. Denúncia de situações conhecidas às autoridades governamentais do país, fidedignas, organismos declarados para este efeito

. punição forte e legal (sem perdão) dos responsáveis, prevaricadores, criminosos e negociantes de escravos e tráfico de seres humanos, fazendo prevalecer o fim da violação dos Direitos Humanos

. mapeamento e monitorização destes pontos nevrálgicos e vigilância constante

. formação e qualificação de jovens e adultos para mudança de mentalidades, educação

. incentivo ao associativismo, cooperativismo em zonas nevrálgicas e ainda recorrer aos melhores parceiros para o micro-crédito

. resgatar casos graves mas com acompanhamento posterior para não haver reincidência

. assistência às vítimas

. acções de prevenção locais

. Solidariedade e compaixão, porque somos todos humanos, feitos da mesma massa e sangue



Para o Bem e Futuro da humanidade!

109 views0 comments

Recent Posts

See All
bottom of page